Quinta-feira
22 de Outubro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,60 5,60
EURO 6,65 6,65
LIBRA ES ... 7,36 7,36
PESO (ARG) 0,07 0,07
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Tribunal mantém condenação de dono de fabrica clandestina de alimentos em Registro

Local não possuía licença de armazenamento.   A 10ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve condenação de homem por fabricação e depósito de palmitos falsificados. O réu, que possuía fabrica clandestina em sua residência, foi condenado a dois anos e quatros meses de detenção, em regime inicial semiaberto.  De acordo com os autos, policiais receberam a informação de que havia extração e transporte clandestino de palmito no município de Sete Barras, na comarca de Registro e, ao chegarem ao local, encontraram o acusado e outras pessoas industrializado palmitos in natura. Além das matérias primas, foram encontrados 72 recipientes de vidro contendo palmito em conserva, em condições impróprias ao consumo, e 96 recipientes vazios e outros objetos e utensílios utilizados para o preparo do produto. O laudo pericial realizado na mercadoria constatou que as embalagens não possuíam rótulos, marca, lote e data de validade e que o réu não possuía licença válida para armazenamento.  “O art. 18, § 6.°, II, da Lei nº 8.078/90, diz serem impróprios para o consumo, dentre outros, os produtos falsificados. No caso, os palmitos foram produzidos e armazenados em condições sanitárias inadequadas, o que por si só os classificam como impróprios para o consumo humano, expondo a risco a vida e a saúde humana, sendo desnecessária a comprovação de que estejam estragados”, escreveu o desembargador Francisco Bruno. Como o acusado é reincidente, o regime semiaberto foi entendido como o adequado a atender os critérios de censurabilidade da conduta e à finalidade preventiva da pena. O julgamento, de votação unânime, teve a participação dos desembargadores Rachid Vaz de Almeida e Carlos Bueno.    Apelação nº 0002058-19.2018.8.26.0495     imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
17/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  3193646
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia