Quinta-feira
18 de Agosto de 2022 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,13 5,13
EURO 5,22 5,22
LIBRA ES ... 6,20 6,21
PESO (ARG) 0,04 0,04
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

TJRJ é o primeiro tribunal da região sudeste a aderir à Ação Nacional de Identificação e Documentação Civil de Pessoas Privadas de Liberdade

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) é o primeiro tribunal da região sudeste do país a aderir à Ação Nacional de Identificação e Documentação Civil de Pessoas Privadas de Liberdade, promovida pelo Conselho Nacional de Justiça. O termo de adesão à ação, que faz parte de um dos eixos estruturantes do “Programa Fazendo Justiça” do CNJ, foi assinado nesta sexta-feira (1º/7). A ação é voltada à promoção da cidadania e garantia de documentação civil por meio de identificação biométrica.  O Rio de Janeiro é o 11º estado do país a aderir à Ação Nacional que objetiva atender à população carcerária, a partir do entendimento que as pessoas em situação de privação de liberdade têm maior dificuldade de acesso às políticas públicas por ausência de emissão e regularização de seus documentos básicos.    Presidida pelo 2º vice-presidente do TJRJ desembargador Marcus Henrique Pinto Basílio, representando o presidente do TJRJ, desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira, a cerimônia de lançamento da Ação Nacional contou com a participação do vice-presidente do TRE-RJ, desembargador João Ziraldo Maia; dos juízes Luis Geraldo Sant’Anna Lanfredi e Fernando Mello, auxiliares da presidente Presidência do CNJ; Iuri Camargo Kisovec, assessor da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); e Raíssa Araújo, coordenadora de Assistência Religiosa, Jurídica e Social do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).  A adesão do TJRJ à Ação Nacional foi oficializada pelo juiz Luis Geraldo Sant’Anna Lanfredi, também coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (DMF) e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas, que assinou o protocolo de intenções de adesão ao termo de cooperação técnica entre o CNJ e o Depen.  Supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Rio de Janeiro, o desembargador Marcus Henrique Basílio saudou a todos os envolvidos no projeto, destacando a importância da oficialização da adesão do Judiciário fluminense ao projeto para que a intenção saia do papel e se concretize.  “Parabenizo a todos aqueles envolvidos no projeto: CNJ, Detran, Seap, Depen, TSE, TRE e o nosso Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que contribuíram para o sucesso dessa iniciativa. Não bastam emissões de resoluções, recomendações, assinaturas apenas no papel. Temos que atuar na prática para que possamos dar cumprimento a todas as ideias, como estamos fazendo, concretamente, hoje, na adesão a esse projeto. ”  O desembargador ressaltou a importância do projeto como forma de solucionar o problema dos apenados sem documentação.  “É fato incontroverso que há um grande número de pessoas sem identificação no sistema carcerário. E está na Lei de Execução Penal que é dever do estado garantir ao preso assistência material, jurídica, saúde, social. A identificação civil é pré-requisito para que essas pessoas possam acessar diversas políticas públicas e serem inseridas, efetivamente, no processo de ressocialização”.  O juiz auxiliar do CNJ, Luis Geraldo Sant’Anna Lanfredi, chamou a atenção em relação ao papel do estado no processo de ressocialização das pessoas que deixam o sistema carcerário.  “Muito se fala na questão da reintegração social, ressocialização dessas pessoas que passam pelo cárcere e nada disso seria possível se o estado não passasse a ocupar-se dessa obrigação, que é uma obrigação de estado de garantir, ao menos, a essas pessoas, documentos que lhes permitam acesso a serviços, trabalho, saúde, educação e proteção social. ”  Para o Luiz Geraldo, o projeto ultrapassa a ação de apenas possibilitar acesso à documentação.  “Nós estamos lidando com uma ação de estado, buscando conferir mais do que documento e cidadania, mas sobretudo dignidade a essas pessoas, que se faz pela visibilização concreta, real desses cidadãos. Temos que garantir a essas pessoas que tenham condições de estabilização social. Que elas possam ter a sua estatura social reconhecida, na medida em que passam reconhecidas como tais e não como sujeitos de segunda categoria na nossa sociedade. ”  O juiz Fernando Mello explicou que o projeto adotou como método preferencial para identificação da população carcerária o banco de identificação biométrica da Justiça eleitoral. O juiz avalia que a identificação é fundamental para desenvolvimento de políticas públicas voltadas para aquela população.  “O cadastramento biométrico está inserido em uma estratégia mais ampla de aplicação de tecnologia para qualificar a execução penal e a gestão prisional, pois, além de permitir a promoção da documentação de pessoas privadas de liberdade, esse projeto propiciará a geração de dados mais precisos sobre o universo da população prisional. Com dados mais efetivos sobre essa população teremos condições de conhecer mais esse público e promover políticas públicas mais efetivas e com respostas mais eficazes.”  Também participaram, da cerimônia de lançamento da Ação Nacional, os magistrados do TJRJ, desembargador Siro Darlan e a juíza Rachel Chrispino, entre outras autoridades. Os juízes auxiliares da Presidência do CNJ Fernando Mello e Luís Geraldo Lanfredi; o 2º vice-presidente do TJRJ, desembargador Marcus Henrique Basílio; e o vice-presidente do TRE-RJ, desembargador João Ziraldo Maia. 
01/07/2022 (00:00)
Visitas no site:  5519328
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia