Quinta-feira
26 de Novembro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,40 5,40
EURO 6,42 6,42
LIBRA ES ... 7,22 7,22
PESO (ARG) 0,07 0,07
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Magistradas do TJSP participam do segundo dia do Fonavid

Juízas apresentaram painéis e oficinas.   Magistradas do Tribunal de Justiça de São Paulo participaram, ontem (20), do segundo dia de palestras e oficinas do XII Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Fonavid), que segue até o dia 23 de outubro de forma virtual. Para o público geral, a juíza Camila de Jesus Mello Gonçalves, da Vara da Região Norte de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, mediou o painel “Discriminações de Gênero, raça e etnia e seus reflexos na pandemia da Covid-19”, que contou com a participação da promotora de Justiça do Ministério Público da Bahia Lívia Sant’Anna Vaz, o desembargador federal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região Roger Raupp Rios e a advogada Judite Guajajara. A promotora falou sobre raça e gênero no sistema de justiça e seu impacto no serviço prestado aos jurisdicionados. Sant’Anna Vaz abordou, entre outros, a vulnerabilidade da mulher negra e o entrelaçamento entre racismo e sexismo. Ela citou dado do "Atlas de Violência" que mostram que, em 2018, 68% das vítimas de feminicídios eram negras e, entre 2008 e 2018, homicídios de mulheres negras aumentaram em 12,4%, enquanto os homicídios de mulheres brancas caíram 11,7%. A advogada Judite Guajajara discorreu sobre os povos indígenas e a dificuldade de se aliar a Lei Maria da Penha à realidade das mulheres indígenas.  Por último, o desembargador federal Roger Raupp Rios propôs um diálogo entre o direito da antidiscriminação, interseccionalidade e a Covid-19, sustentando que “a pandemia deixou as desigualdades mais nítidas”, uma vez que impactou de maneira diferenciada persos grupos sociais, de acordo com questões de gênero, raça, etnia e etc. Ao final do evento, a juíza Camila de Jesus Mello Gonçalves afirmou que o encontrou despertou inúmeras reflexões. “Magistrados saem com um dever de casa, de pensar e aprofundar questões sobre a universalidade da mulher”, afirmou.  Ao longo do dia, as juízas Ruth Duarte Menegatti, da 3ª Vara de Adamantina, e Camila de Jesus Mello Gonçalves participaram das oficinas “Uma nova era no enfrentamento à violência doméstica: o MOBI GAME traz inovação e tecnologia para essa jornada” e “Questões de gênero – transexualidades e suas implicações”, restritas aos juízes e equipe multidisciplinar. Ao lado da pós-doutora em Educação pela PUC-SP Ana Paula Arbache e da cientista política e comunicadora social Lilian Rauld, a juíza Ruth Duarte Menegatti falou sobre o desenvolvimento do Mobi Game e a importância de se trabalhar a tecnologia em prol dos direitos humanos. O game ensina as pessoas, a partir da narrativa das personagens, a ouvir e amparar as vítimas. Lança desafios com perguntas diretas para o jogador, que escolhe como cada uma deve agir diante de situações apresentadas. “É uma forma lúdica de se trabalhar uma questão tão complexa, que á a violência doméstica”, afirmou a magistrada. Para jogar gratuitamente do celular ou do computador, basta acessar este link e preencher um cadastro.  Em seguida, a juíza Maria Domitila Prado Manssur, titular da 16ª Vara Criminal da Capital e diretora da AMB Mulheres, palestrou ao lado da juíza Renata Gil Videira, presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), sobre ações de enfrentamento à violência de gênero no painel “Conversa com a AMB Mulheres”, restrito a magistrados e equipe multidisciplinar. “No painel foi realçada a formação da diretoria da AMB Mulheres por juízas e juízes de todas as regiões do país, bem como as suas duas principais linhas de ação: a atenção às mulheres e meninas em situação de vulnerabilidade e a representação dos interesses institucionais das magistradas”, contou a juiza Domitila Manssur. A magistrada ainda destacou o trabalho da associação na construção da Campanha Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica, criada em parceria com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial 
21/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  3309901
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia