Quinta-feira
25 de Fevereiro de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,42 5,42
EURO 6,57 6,57
LIBRA ES ... 7,64 7,64
PESO (ARG) 0,06 0,06
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

INSTITUCIONAL: Comitê Gestor de Crise do TRF1 realiza a primeira reunião do ano com os Direfs

Nessa quarta-feira, dia 20 de janeiro, o Comitê Gestor de Crise do Tribunal Regional Federal da 1ª Região realizou a primeira reunião de 2021, por meio da plataforma Teams, com os diretores de foro das seccionais. O objetivo foi avaliar os próximos passos a serem dados para o retorno gradual ao trabalho presencial, diante da situação da pandemia do coronavírus, causador da covid-19. O presidente do TRF1, desembargador federal I’talo Fioravanti Sabo Mendes conduziu a reunião, que iniciou com um apanhado sobre a ocupação de leitos nos 13 estados e o Distrito Federal (integrantes da Justiça Federal da 1ª Região), feito pela diretora da Divisão de Assistência à Saúde (Diasa), Ana Alice Siqueira Santos Carvalho. A médica destacou que a taxa de ocupação de leitos nos estados da 1ª Região está acima de 70%, chegando a 80% em alguns estados. Citou, ainda, a falta de insumos, de pessoal capacitado para trabalhar nas unidades de saúde e outras dificuldades, “o que revela uma situação preocupante”, alertou. Durante o encontro, o presidente do TRF1 pôde ouvir os diretores de foro e as particularidades de cada região, como a disponibilidade de leitos, número de contaminados, a situação da Justiça Estadual, Eleitoral e do Trabalho regionais, o estágio em que se encontram cada Seção e Subseção Judiciária (regime de plantão extraordinário ou etapa preliminar de retorno ao trabalho presencial), perícias médicas, produtividade, entre outras. Presidente do Comitê, o desembargador federal Marcos Augusto de Sousa ressaltou o agravamento da crise sanitária com o aumento do número de contaminados e mortes por covid-19 e recomendou que o retorno ao trabalho presencial, que ainda está na sua etapa preliminar em algumas seccionais e em plantão extraordinário em outras, permaneça como está neste momento. O magistrado sugeriu, ainda, a avaliação da situação inpidual de cada Seção Judiciária, visto que elas apresentam realidades diferentes.  Segundo o desembargador federal Marcos Augusto de Sousa, de acordo com o que foi apresentado pelos direfs, “não temos condições, nesse momento, de dar um passo adiante no que se relaciona em aumentar o número de pessoas em trabalho presencial”. Ele afirmou também que o Comitê Gestor de Crise do TRF1 irá avaliar os pontos apresentados pelos direfs para apresentar uma sugestão de Resolução que contemple as necessidades das SJs e SSJs. Uma nova avaliação está prevista para acontecer no fim do mês de fevereiro. Participaram da reunião o presidente do TRF1, desembargador federal I’talo Fioravanti Sabo Mendes, o presidente do Comitê Gestor de Crise, desembargador federal Marcos Augusto de Sousa, o secretário-geral do TRF1, juiz federal Cleberson José Rocha, o juiz federal em auxílio à Corregedoria Regional da 1ª Região Newton Pereira Ramos Neto, a diretora da Divisão de Assistência à Saúde (Diasa) Ana Alice Siqueira Santos Carvalho, a diretora da Secretaria de Gestão Administrativa (SecGA) Maria Cristina Turnes, a diretora da Secretaria de Gestão de Pessoas (SecGP) Estela Maria Barbosa Cruz, o diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação (Secin) Lúcio Melre da Silva, a chefe da Assessoria de Comunicação Social (Ascom) Ivani Luiz de Morais, o diretor da Divisão de Legislação de Pessoal (Dilep) Wagner Etelvino Ohana da Cunha, a assistente técnico VI da Secge Sandra Maria Alves Borges e a secretária do Comitê, Mara Lucia Martins de Araujo (Secge).   RF  Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região
21/01/2021 (00:00)
Visitas no site:  3566609
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia