Quinta-feira
26 de Novembro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,40 5,40
EURO 6,42 6,42
LIBRA ES ... 7,22 7,22
PESO (ARG) 0,07 0,07
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Estado deverá reformar prédio de escola pública em São Bernardo do Campo

Pedido de ampliação do prazo foi negado.   A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença que determinou que o Governo do Estado reforme uma escola da rede pública de ensino em São Bernardo do Campo. Consta dos autos que o prédio apresenta uma série de problemas, como ausência de saída de emergência, vazamentos e infiltrações, rede elétrica em mau estado, ausência de sistema de proteção contra descargas atmosféricas, equipamentos contra incêndio indisponíveis, dentre outros. O Estado foi condenado a promover todas as obras necessárias no prazo de seis meses, mas entrou com recurso pedindo ampliação do prazo. O relator do recurso, desembargador Spoladore Dominguez, afirmou que não há que se falar em alteração do prazo para realização das reformas diante da situação emergencial da escola. Para o magistrado, “o prazo e termo inicial para cumprimento da obrigação foram fixados com observância dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, que permite à Administração, em especial, a inclusão, na previsão orçamentária, das despesas necessárias ao cumprimento da obrigação”.  O magistrado ressaltou que o apelante não apresentou nenhum documento que comprovasse que as obras haviam sido realizadas ou que estavam em andamento. Destacou, ainda, que “o simples fato de o procedimento ser burocrático e demorado não pode servir de escusa para o Ente Público não empreender esforços para resolver o problema relacionado à segurança do prédio público, cuja importância ganha maior dimensão no presente caso, pois tal imóvel abriga escola e, portanto, a prestação de serviço público fundamental relacionado ao direto à educação (art.6º da C.F.) e, mais que isso, envolve a inviolabilidade do direito à vida e segurança de crianças, adolescentes, pessoas que merecem especial proteção do Estado.” “A não observância das regras de segurança que devem ser implantadas na referida escola estadual viola, assim, o princípio da legalidade, impondo a intervenção do Poder Judiciário, o que não representa ingerência indevida, não havendo que se falar, tampouco, no particular, em conveniência ou oportunidade da Administração Pública”, pontuou o relator. “É obrigação do réu a realização das obras necessárias ao cumprimento das normas de segurança no prédio público objeto dos autos, que, no caso, repita-se, tem por finalidade a garantia da segurança e integridade física de alunos e professores, cuja inviolabilidade do direito à vida não pode ser fragilizada em razão de alegada dificuldade orçamentária, porquanto se está apenas a exigir o cumprimento de obrigação legal que atende ao interesse público.” Participaram do julgamento, que teve votação unânime, os desembargadores Flora Maria Nesi Tossi Silva e Borelli Thomaz.   Apelação nº 1029983-57.2018.8.26.0564   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial     
21/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  3309898
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia