Sexta-feira
30 de Outubro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,78 5,78
EURO 6,74 6,74
LIBRA ES ... 7,45 7,45
PESO (ARG) 0,07 0,07
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
23ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva

Sábado - Campinas, SP

Máx
19ºC
Min
16ºC
Chuva

Domingo - Campinas, SP

Máx
22ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Campinas, SP

Máx
23ºC
Min
13ºC
Predomínio de

EPM promove segunda edição do curso ‘Faces da Violência’

Aula inaugural versou sobre medida protetiva de urgência.   Com uma exposição sobre o tema ‘Medida protetiva de urgência”, ministrada pela subprocuradora-geral da República Ela Wiecko Volkmer de Castilho, teve início ontem (17) a segunda edição do curso Faces da violência, promovido pela Escola Paulista da Magistratura (EPM). A gravação do evento em breve será disponibilizada no canal da Escola no YouTube. Ao abrir os trabalhos, o diretor da EPM, desembargador Luis Francisco Aguilar Cortez, deu as boas-vindas e agradeceu a participação de todos, destacando a importância do trabalho das integrantes da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo (Comesp) e demais coordenadoras que contribuíram para a realização do evento, bem como dos palestrantes. “É uma honra e satisfação receber o curso que hoje se inicia”, ressaltou, lembrando que a Escola está aberta para sugestões e propostas de magistrados para cursos voltados ao aperfeiçoamento da magistratura e sobre outros temas que possam oferecer uma qualidade de vida melhor e conduzir a uma sociedade mais justa e equilibrada.  A desembargadora Angélica de Maria Mello de Almeida, coordenadora da Comesp, cumprimentou e agradeceu a todos, em especial ao diretor da Escola, por sempre receber as iniciativas da Comesp e fazer da Escola um espaço democrático. “Isso é muito importante, principalmente neste momento em que o Brasil enfrenta essa calamidade sanitária da pandemia”, ressaltou, enaltecendo também a trajetória de vida e a atuação da palestrante na defesa dos direitos humanos, sob a perspectiva da igualdade entre mulheres e homens. A juíza Teresa Cristina Cabral Santana, coordenadora do curso e integrante da Comesp, lembrou que elaboração do curso partiu da compreensão de que a violência é um fenômeno que tem inúmeras facetas, possibilidades e intervenções. “Esse olhar multidisciplinar, interdisciplinar e intersetorial precisa ser realizado para que possamos fazer a análise e o enfrentamento conforme. Nesse contexto, procuramos fazer uma análise que abranja outras perspectivas e intersecções”, ressaltou.  Ela Wiecko iniciou a exposição enfatizando que a primeira aula do curso não é sobre violência de gênero, mas sobre medidas protetivas de urgência. “A coordenação do curso coloca a ideia de proteção acima da ideia de punição, que infelizmente foi muito associada à Lei Maria da Penha, tão logo ela foi promulgada”, observou. Ela explanou sobre as medidas protetivas de urgência, as normas legais nas quais estão estabelecidas, sua natureza jurídica, os requisitos para o deferimento das medidas e destacou a importância da comunicação dos atos processuais às vítimas. A palestrante ressaltou que existe dificuldade no meio jurídico de entender que todas as medidas protetivas de urgência são de natureza cível, mesmo a que determina a restrição de liberdade temporária do agressor. Ela explicou que a pisão de competências para tratar da Lei Maria da Penha entre as esferas cível e penal demonstra o incômodo e a não compreensão da proposta da lei, que é a de estabelecer uma competência ampla para o juízo conhecer e apreciar o conflito e dar respostas usando os instrumentos existentes no ordenamento jurídico, seja ele penal ou cível. “Ela não é penal. Ela é ‘sui generis’. Busca agregar todos os ramos do Direito para se integrarem e darem uma resposta”, observou. “Precisamos entender que tanto o Judiciário como o Ministério Público e a advocacia têm de escutar as mulheres. Enquanto não escutarem, não concederemos medidas protetivas úteis e efetivas”, ponderou. Participaram também do evento as juízas Rafaela Caldeira Gonçalves, coordenadora do curso, e Danielle Galhano Pereira da Silva, ambas integrantes da Comesp; e as defensoras públicas Paula Sant’Anna Machado de Souza e Nálida Coelho Monte, coordenadora e coordenadora auxiliar do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres da Defensoria Pública (Nudem), também coordenadoras do curso.   imprensatj@tjsp.jus.br     Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
18/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  3220709
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia