Domingo
23 de Janeiro de 2022 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,44 5,44
EURO 6,17 6,17
LIBRA ES ... 7,37 7,38
PESO (ARG) 0,05 0,05
PESO (URU) 0,12 0,12

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
31ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Campinas, ...

Máx
30ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campinas, S...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Nublado

Quarta-feira - Campinas, S...

Máx
29ºC
Min
20ºC
Chuva

EPM promove o curso ‘Direito & internet – questões técnicas’

Especialistas fizeram as exposições.       A Escola Paulista da Magistratura (EPM) realizou na terça-feira (23) o curso Direito & internet – questões técnicas, com exposições dos integrantes do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) Demi Getschko, Frederico Neves, Antônio Moreiras e Ricardo Patara.      Na abertura dos trabalhos, o desembargador Miguel Ângelo Brandi Junior, coordenador do curso, agradeceu a participação de todos, em especial dos integrantes do NIC.br, destacando a parceria do Núcleo, bem como o trabalho dos servidores da Escola.     A desembargadora Luciana Almeida Prado Bresciani, conselheira da EPM, representando o diretor da Escola, também agradeceu a participação de todos e recordou que o Tribunal de Justiça de São Paulo e a EPM precisaram se desdobrar durante o período de pandemia para possibilitar o uso amplo e adequado da internet para a realização das atividades virtuais. “Mais um motivo para nos debruçarmos sobre esse assunto, de maneira interdisciplinar”, frisou.     O diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, integrante do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), saudou o caráter multissetorial e multidisciplinar do evento, ressaltando que o Brasil tem uma boa imagem no exterior em relação à internet. “Temos um tripé que tem funcionado bem na área, baseado na competência técnica; na governança, realizada desde 1995, de maneira setorial; e em uma legislação adequada, com o Marco Civil da Internet, desde 2014, e agora com a Lei Geral de Proteção de Dados, que dialoga muito bem com o Marco Civil.”     O juiz assessor da Corregedoria Geral da Justiça Felipe Esmanhoto Mateo, representando o corregedor-geral, lembrou que o tema é cada vez mais presente nos tribunais. “Pedidos como a remoção de conteúdo de sites e identificação de usuários multiplicaram-se após a edição do Marco Civil da Internet, da Lei Carolina Dieckmann e da Lei Geral de Proteção de Dados e muitas vezes exigem conceitos ainda desconhecidos por nós juízes, que precisamos conhecer para poder julgar”, ressaltou.     O juiz Fernando Antonio Tasso, assessor da Presidência e coordenador do Órgão Encarregado pela Proteção de Dados Pessoais do TJSP e da área de Tecnologia da Informação e Direito Digital da EPM, lembrou que a Escola realizou cursos sobre Direito Digital e possui uma coordenadoria nessa área desde 2018, desde antes da inclusão da disciplina na grade curricular dos cursos de Direito pelo Ministério da Educação. “Mais do que a técnica e a concretude, é necessária a cultura da Tecnologia da Informação - e agora a cultura de proteção de dados”, frisou.     Iniciando as exposições, o gerente de Projetos e Desenvolvimento no NIC.br, Antônio Moreiras, conceituou o IP (internet protocol), ou protocolo de internet, como o conjunto de regras de comunicação que permite a comunicação entre as milhares de redes que formam a internet. Discorreu também sobre a porta lógica ou simplesmente porta, outro número que permite a identificação da aplicação que recebe os dados em um computador e que passou a ser utilizado como forma extra de identificação. E enfatizou que nem sempre é possível identificar o usuário somente com o endereço de IP ou em conjunto com a porta lógica, sendo necessário usar também outras técnicas investigativas.     Na sequência, o gerente de Recursos de Numeração de Internet no NIC.BR, Ricardo Patara, discorreu sobre a guarda de logs à luz do Marco Civil da Internet. Ele explicou que logs são registros de atividades ocorridas em sistemas computacionais que permitem, após seu processamento, obter informações como a identificação do usuário que se conectou em uma rede em determinado horário. Ele lembrou que o Marco Civil determina que esses registros devem ser mantidos por um ano pelo provedor de conexão (acesso) e por até seis meses pelos provedores de aplicação (conteúdo). E ressaltou que a guarda de logs representa uma grande preocupação para os provedores de internet devido à quantidade de informações registradas por dia, que constituem arquivos grandes, que devem ter sua segurança e integridade preservadas.     Por fim, Demi Getschko e o diretor de Serviços e Tecnologia do NIC.br, Frederico Neves, discorreram sobre os impactos e consequências do congelamento (suspensão) de nomes de domínios nas decisões judiciais. Demi Getschko falou sobre os fundamentos da governança na internet e recordou a origem das raízes e dos nomes de domínio, sua organização nas regiões do planeta e a criação do domínio “.br”. E ressaltou que o nome de domínio é apenas uma forma mnemônica rápida de se chegar a um número. “Se você por algum motivo elimina o nome de alguém, você não eliminou a presença dele na internet, apenas o jeito mais fácil de chegar àquele local”, esclareceu.     Frederico Neves explicou o funcionamento dos nomes de domínio, salientando que servem para localizar e identificar conjuntos de serviços e computadores na internet em uma base de dados distribuída (DNS), são fáceis de memorizar e oferecem maior liberdade para a administração dos serviços na rede. Ele enfatizou a necessidade de cuidado em relação à remoção de conteúdo na internet por meio da suspensão de nome de domínio, ponderando que ela pode não cumprir o seu papel, em razão da possibilidade de os conteúdos terem múltiplos nomes, e ter efeitos colaterais inesperados ou deletérios, como a suspensão de subdomínios que existam embaixo do domínio principal. “O NIC.Br obviamente atende prontamente às ordens judiciais, mas sempre teve muito cuidado no cumprimento delas, em especial nas liminares, alertando o julgador nos casos em que o pedido extrapola o objeto da ação ou trará consequências muito além das esperadas”, concluiu.            imprensatj@tjsp.jus.br       Siga o TJSP nas redes sociais:     www.facebook.com/tjspoficial     www.twitter.com/tjspoficial     www.youtube.com/tjspoficial     www.flickr.com/tjsp_oficial     www.instagram.com/tjspoficial
26/11/2021 (00:00)
Visitas no site:  4737012
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia