Domingo
23 de Janeiro de 2022 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,44 5,44
EURO 6,17 6,17
LIBRA ES ... 7,37 7,38
PESO (ARG) 0,05 0,05
PESO (URU) 0,12 0,12

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
31ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Campinas, ...

Máx
30ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campinas, S...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Nublado

Quarta-feira - Campinas, S...

Máx
29ºC
Min
20ºC
Chuva

Em homenagem ao Mês da Consciência Negra, Museu da Justiça debateu a escravidão no Brasil

O Museu da Justiça promoveu na terça-feira (23/11) uma live com o tema “Racismo Estrutural: Legados da Escravidão no Brasil”, com os palestrantes Beatriz Mamigonian, professora do Departamento de História da UFSC e pesquisadora na área da abolição do tráfico de escravos e nas transformações da escravidão no século XIX, e Flávio Gomes, professor da UFRJ e pesquisador do CNPQ.  A palestra, que teve a mediação do chefe do Serviço de Acervo Textual, Audiovisual e de Pesquisas Históricas (SEATA) Gilmar de Almeida Sá, trouxe uma reflexão acerca do fenômeno chamado Racismo Estrutural no Brasil, e mostrou a importância da pesquisa e da preservação da documentação judiciária para que esses casos não acabassem caindo no esquecimento. “As pesquisas da última década que focam a escravização e a reescravização mostram que os casos que chegaram ao Judiciário são muito contundentes e convergem em vários pontos”, explicou Beatriz Mamigonian, ressaltando a relevância do trabalho de documentação e preservação histórica realizado pelo Museu da Justiça e pelo Arquivo do TJRJ.  Entre os vários exemplos relatados pela professora está o caso de Hipólita Maria das Dores, uma mulher livre, mulata, nascida em 1823, filha de uma mulher liberta e de um homem livre, que foi escravizada quando criança pelo genro da sua madrinha e levada para o Ceará, onde viveu 17 anos no cativeiro. Hipólita teve seis filhos e travou uma batalha judicial enorme contra o homem que a tinha escravizado.    Flávio Gomes afirmou que o trabalho junto às fontes judiciárias foi de fundamental importância para traçar a historiografia brasileira e para localizar o escravizado através desses processos judiciais.  “Durante muito tempo, se falou de uma escravidão genérica, sem nenhum tipo de preocupação com espaços e tempos, como se a escravidão do Sec. XVI fosse continuada ao longo dos séculos seguintes. Apenas a partir do século XIX começou a se pensar mais sobre os escravizados e não apenas sobre a escravização. A documentação do Judiciário foi muito importante, porque nos deu a possibilidade de identificar as diferentes percepções dos escravizados”, explicou o professor, afirmando ainda que os inventários pesquisados nos arquivos do Judiciário também foram de grande importância para demostrar os diferentes tipos de escravidão que havia no Brasil. A live está disponível no Youtube do Tribunal de Justiça do Rio. Para assistir clique aqui.    
25/11/2021 (00:00)
Visitas no site:  4737080
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia