Quinta-feira
21 de Janeiro de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,30 5,30
EURO 6,42 6,42
LIBRA ES ... 7,23 7,23
PESO (ARG) 0,06 0,06
PESO (URU) 0,13 0,13

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
30ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Sexta-feira - Campinas, SP

Máx
29ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Sábado - Campinas, SP

Máx
29ºC
Min
18ºC
Nublado

Domingo - Campinas, SP

Máx
29ºC
Min
19ºC
Chuvas Isoladas

03/12/2020 - 17h09Magistrados participam do Fórum Nacional da Infância e da JuventudeDesafios e iniciativas do segmento foram abordados

  Encontro reuniu magistrados que atuam em varas de infância e juventude do Brasil   Magistrados que integram o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) participaram, nesta quinta-feira (3/12), da reunião anual do Fórum Nacional da Infância e da Juventude (Foninj). A iniciativa busca promover o debate de magistrados e servidores que atuam na área, sobre políticas públicas voltadas à temática da infância e da juventude. A iniciativa é do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A desembargadora do TJMG, Valéria Rodrigues Queiroz, foi uma das palestrantes e abordou o tema: "Justiça Juvenil - Desafios atuais". A magistrada mineira apresentou reflexões a partir do funcionamento do sistema socioeducativo, em especial na gestão de vagas. Defendeu a adoção de uma central de vagas cuja metodologia gire em torno de administrar a ocupação das unidades socioeducativas de internação e semiliberdade. Tal iniciativa busca garantir a ocupação no máximo de um adolescente por vaga. Para tanto, prossegue, é necessário ter critérios objetivos, transparentes e alinhados entre os órgãos ligados ao sistema de Justiça. Devem-se observar particularidades de cada estado, frisou.   A desembargadora Valéria Rodrigues Queiroz destacou o trabalho do CIA/BH na gestão de vagas nas unidades socioeducativas   “Uma boa implementação desta metodologia favorece a efetivação dos princípios da aplicação da medida socioeducativa”, defendeu. Unidade integrada A desembargadora apresentou o exemplo positivo adotado em Minas Gerais, que é o Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (CIA/BH), em Belo Horizonte. Nele, há atuação conjunta de persos órgãos envolvidos (Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Polícia Militar e Civil) com o atendimento ao adolescente. Essa iniciativa potencializa a efetividade da responsabilização do adolescente envolvido em ato infracional. Possibilita a racionalização da internação provisória do adolescente, sustentou. Nesse sentido, segundo a magistrada, o desafio é envolver, em cada estado, todos esses atores a colocar em prática iniciativas locais, todas voltadas para harmonizar a gestão de vagas, levando em consideração as interdições de unidades socioeducativas, sem priorizar ações isoladas.  Primeira infância O juiz da Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Uberlândia, José Roberto Poiani, abordou o pacto pela primeira infância e redução do tempo de acolhimento. O magistrado defendeu a necessidade de se dar mais celeridade a processos que envolvem principalmente as crianças em primeira infância. Priorizar a convivência familiar e a redução do tempo de acolhimento. “A infância não é o futuro. Ela é hoje”, reforçou.   O juiz José Roberto Poiani defendeu a necessidade de ampliar o serviço de acolhimento familiar para dar mais opções às crianças em sua primeira infância   O juiz José Roberto Poiani defendeu a necessidade de se ampliar o serviço de acolhimento familiar para equilibrá-lo com o institucional. Ele apresentou dados que mostram uma ampla diferença entre o institucional (29.956) e familiar (1.396): dados do CNJ de 2020. O magistrado comentou que o acolhimento institucional também protege a criança, mas tem limitações. O melhor lugar para crescimento com maturidade é em uma família, principalmente nos primeiros momentos da infância, defendeu. O palestrante convocou persos órgãos, como o Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e outros para criar uma rede de proteção a crianças e adolescentes. O juiz Afrânio Nardy, que atua no Centro Integrado de Atendimento no CIA/BH, também participou do fórum. Prioridade absoluta Na oportunidade, houve a lançamento do prêmio Prioridade Absoluta, que busca selecionar, premiar e disseminar ações, projetos ou programas voltados à promoção, valorização e respeito dos direitos das crianças, dos adolescentes e dos jovens, com a prioridade absoluta determinada na Constituição Federal e nas leis infraconstitucionais, como o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Marco Legal da Primeira Infância. O evento foi aberto pela ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça, e Corregedora Nacional de Justiça. 
03/12/2020 (00:00)
Visitas no site:  3468602
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia